Drogas: os direitos de quem usa

Psicotropicus lança folheto de bolso com oito orientações sobre como uma pessoa deve se comportar caso seja abordada pela polícia usando ou portando drogas ilícitas para uso pessoal. Não se desesperar e não subornar são as duas primeiras recomendações do chamado “cartão do usuário”. Debate na OAB-RJ marcou o lançamento.

As milícias dominam pelo medo

Ele não para. Quando não está na sede do Viva Rio, no Rio de Janeiro, onde assumiu recentemente a função de coordenador de Segurança Humana, Paulo Storani, está em atividade pelo Brasil. O ex-instrutor do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMERJ) – e uma das figuras que inspirou a construção do capitão Roberto Nascimento, personagem representado por Wagner Moura em Tropa de Elite 1 e 2 – é um inquieto. Está sempre “no limite” e usa essa energia para estimular pessoas a se superarem ministrando palestras motivacionais.

A família do hip-hop colombiano

Cantando, dançando de cabeça para baixo, 'hip-hopeando'. Assim, os integrantes da Fundação Artística e Social Família Ayara, na Colômbia, vão transformando comunidades hostis em ambientes amáveis e criativos. Estes jovens abriram espaços importantes de participação cidadã em várias cidades do país, mas também enfrentam ameaças de grupos violentos, que assassinaram recentemente vários de seus membros. Diana Ortega, um das filhas da Família Ayara, fala desta grande família do hip-hop colombiano.

Campanhas de desarmamento em foco

Armas de fogo não tem data de expiração, elas atravessam décadas sem perder seu potencial ofensivo e sua tendência é sobreviver ao dono. A posse de armas é um nó explosivo que pode, porém, ser desatado. O Seminário Internacional sobre Desarmamento realizado nos dias 21 e 22 de Outubro em Brasília discutiu boas práticas internacionais de entrega de voluntária de armas por civis em campanhas de longa duração, e apresentou casos na América Latina, África e Europa.

Viva Rio faz campanha para conter cólera no Haiti

Epidemia já chegou à capital haitiana, Porto Príncipe, e o laboratório nacional confirmou um caso em Bel Air, bairro onde o Viva Rio atua. O cólera já matou pelo menos 259 pessoas e deixou mais de 3.342 internadas. A sede da ONG no Haiti será transformada em centro de referência em tratamento, prevenção e educação durante epidemia. Doações podem ser feitas em dinheiro ou em itens como água e soro de hidratação.

ONGs têm papel decisivo no combate ao crime

"Muitas questões não podem ser totalmente percebidas sem o envolvimento da perspecitva da sociedade civil", acredita Dimitri Vlassis, chefe da Divisão de Crimes Econômicos e de Corrupção do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC). Ele acredita que a maneira de
combater novos e antigos crimes como o crime organizado, não é só através de novas tecnologias. Os sistemas judiciais devem ser fortalecidos, o que significa, para ele, considerar a realidade vivenciada pelas ONGs de todo o mundo na elaboração e revisão de políticas.

Brasil sedia seminário internacional sobre desarmamento

O Viva Rio e a Rede Desarma Brasil realizam nos dias 21 e 22 de outubro, com apoio do Ministério da Justiça, o Seminário Internacional sobre Desarmamento. Seu objetivo é promover a troca de experiência de campanhas de desarmamento voluntário bem sucedidas em Angola, Moçambique, Argentina, Colômbia e Brasil.

Sábado e domingo na escola!

Não é um castigo. Pelo contrário. Ir ao 'Escolas Abertas' durante os fins de semana se tornou um grande programa para milhares de crianças, jovens e adultos de bairros pobres da Guatemala. Lá eles podem descobrir talentos, ocupar seu tempo de maneira produtiva e desenvolver senso de pertencimento e amor pela comunidade. Uma iniciativa inspirada em uma experiência brasileira que hoje serve como ferramenta para a luta contra a exclusão social em 206 escolas do país centro-americano.

‘A abstinência também é um excesso’

Autor de Bebida, abstinência e temperança na história antiga e moderna, o professor de História da USP Henrique Carneiro discute o bom e o mau beber ao longo da história ocidental e critica a proibição de substâncias psicoativas. Ele defende a recuperação de virtudes éticas como a temperança para a auto-gestão das condutas sobre aquilo que se ingere.

‘O Haiti nos ajudou a crescer’

Em “Combate de Paz”, o capitão do Exército brasileiro Luciano Moreira, que durante seis meses comandou uma tropa de fuzileiros no Haiti, conta em livro suas vivências e aprendizados no país e traça paralelos com o Rio de Janeiro.

Conteúdo sindicalizado